19 de mar de 2018

Canto Poético: Menininha – Venus em Lua.

Quando a poesia nos emociona por sua simplicidade, ela acaba marcando mais em nossa vida. O poeta Felipe Cortez traz em seus poemas uma simplicidade, mas rica na expressão. O poema Menininha é um exemplo destas características.

Artista, produtor cultural, e poeta, o jovem taiobeirense Felipe Cortez é conhecido por vários trabalhos envolvendo a arte e a cultura. Ligado muito ao teatro, Felipe traz em suas peças e apresentações, características regionais populares do Vale do Jequitinhonha e Norte de Minas, a uma arte moderna contemporânea.
Preservando a nossa cultura local, e ao mesmo tempo inovando e refletindo a modernidade, ou “mudernidade” na expressão roseana de Guimarães Rosa.  E nesta mistura de moderno e regional, ele não só produz no teatro, mas nos versos dos seus poemas.
O seu poema Menininha – Venus em Lua, traz uma simplicidade tamanha, mas provoca uma emoção que provoca uma viagem dentro dos seus versos. Vencedora de saraus de poesias, Menininha envolve qualquer público, da criança a idoso, da cultura popular a erudita, pois não se trata de refletir, mas de sentir.

Menina – Venus em Lua
Por: Felipe Cortez.

Faz arte menina que dança,
Faz trança menina que canta,
Menina que conta e encanta,
Os contos de minas,

Salve menina que brinca,
Na rua de amarelinha,
Pula corda, cirandinha,
Não deixa morrer nossos costumes,

Pede a benção menina que cuida,
Cuida da terra, dos avós,
Dos animais e rodopia na chuva,

Menina da roça sim senhor,
Menina inocente, mas menina decente,
É tão pequena, mas na simplicidade se torna grande,
 
Se assusta com o barulho das máquinas,
Chora pelas arvores caindo,
Pelos bichinhos sozinhos, sem defensor,

Menina Menina, segue seu caminho,
Nesse mundo sem carinho,
Só não perca esta flor,
Que cresce dentro de você,
E faz seus olhos verem o mundo, com outra cor.

Destaque