20 de mai de 2019

História em Futebol de Botão: Os 85 anos do Tigre da Vargas, o Mixto de Mato Grosso o Campeão da Copa Centro-Oeste de 1976.

O Mixto Esporte Clube o time das diversidades, foi fundado em 20 de maio de 1934, e traz em suas cores preto e branco uma proposta de além do futebol combater o preconceito racial, de gênero e de classe. Em 1976 o maior Campeão do Mato Grosso venceu a seu maior título, a Copa Centro-Oeste, e fez sua estreia no Campeonato Brasileiro da Série A. 

Mixto Campeão da Copa Centro-Oeste
O futebol mato-grossense teve em 20 de maio de 1934 o surgimento do time mais vitorioso do Estado, o Mixto Esporte Clube. O Tigres da Vargas, nasceu do Clube Esportivo Feminino, que tinha Zulmira Canavarros como sua liderança, em uma época que as mulheres sofriam ainda mais com as exclusões no esporte. E foi Zulmira que promoveu a abertura do Esportivo Feminino para mulheres e homens, e assim surgiu o Mixto.
O nome foi sugerido pela ideia de misturar as diversidades e as diferenças em um único clube, algo bastante revolucionário no início do século XX. O Clube não só tinha atividades esportivas, o Mixto foi responsável por promover eventos culturais e valorizar artistas mato-grossenses ao longo de sua história. E foi o Alvinegro que promoveu a primeira Liga de Futebol de Cuiabá, e que consequentemente promoveu o surgimento na década de 1940 o surgimento do Campeonato Mato-Grossense.
O maior Campeão do Mato Grosso, também foi um dos pioneiros do Estado a participar das competições nacionais. E mostrou ainda mais sua grandeza ao promover posições políticas de inclusão social em uma época com pouca discussão sobre as questões do racismo, machismo, homofobia e xenofobia. São por estes motivos que o Mixto se torna um dos grandes nomes dos times brasileiros da Região Centro-Oeste. Em 1976 o Tigre da Vargas elevou o futebol mato-grossense ao se tornar Campeão da Copa Centro-Oeste, e participar do Campeonato Brasileiro da Série A.
Após ser eliminado na primeira no Campeonato Brasileiro de 1976, no qual o Mixto surpreendeu em sua estreia na competição, foi disputar o Torneio Centro-Oeste de Futebol. A competição teve inicio em 04 de novembro, com a divisão de dois grupos, um com 07 equipes e outro com 06, no qual os times de um grupo enfrentava o do outro grupo, e os dois primeiros de cada grupo classificariam para a semifinal. E o Mixto após três vitórias, um empate e duas derrotas, conseguiu se classificar na última rodada diante o América – RJ (time carioca convidado), ficando atrás do Goiás – GO, no Grupo A, mas se garantindo na semifinal. Já no Grupo B, o Operário de Campo Grande (na época disputava o Campeonato Mato-grossense por não existir ainda o Estado do Mato Grosso do Sul) liderou o Grupo A, e o Itumbiara de Goiás ficou em segundo lugar.
A primeira partida da semifinal foi realizada em 11 de dezembro, e o Mixto enfrentou o seu grande rival naquela época o Operário de Campo Grande, que inclusive naquele ano tinha vencido o Campeonato Mato-grossense sobre o Mixto. Mas o Alvinegro de Cuiabá teve a revanche venceu o primeiro jogo em casa por 1 a 0, e no jogo da volta em 14 de dezembro em Campo Grande, o Mixto voltou a vencer e se garantir na final. Na outra semifinal entre os times goianos, o Goiás que perdeu a primeira partida venceu o jogo de volta sobre o Itumbiara, assim pelas regras da época, teve o jogo desempate, e o Itumbiara surpreendeu o Esmeraldino e se classificou para a final.
Bife, Mixto Campeão da Copa Centro-Oeste
A final teve jogo único, e foi realizada no Estádio Verdão em Cuiabá pelo Mixto ter melhor campanha. Uma grande festa da torcida Alvinegra, que tinha jogadores como o ponta-direito Pelezinho, o meia Pastoril, o centroavante Bife, o zagueiro eterno Miro, e seu companheiro de defesa Nélson. E este time que marcou para os torcedores mixtenses, se consagrou em 19 de dezembro, quando venceu por 1 a 0 o time goiano do Itumbiara, e conquistou a região pantaneira do Brasil, ao ser Campeão da Copa Centro-Oeste de 1976.

Segue abaixo os modelos para botão do jogo:
Time: 1. Edson; 2. Toninho, 3. Miro, 4. Nélson e 6. Diogo; 5. Zé Luiz, 8. Lourival e 7. Pastoril. 10. Pelezinho, 9. Bife e 11. Traíra. Técnico: Milton Buzeto - Esquema tático: 4;3;3.  

17 de mai de 2019

Espaço Musical: Bem entendido.

O Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia se dá no em 17 de maio, como um momento de luta as causas LGTB+ e de um mundo em que o respeito às diversidades e diferenças de gêneros exista por parte de todxs. A data surgiu em 1990, quando o termo “homossexualismo” foi desconsiderado, e a homossexualidade deixou de ser considerada uma doença pela Organização Mundial da Saúde. Em 1974 vários músicos brasileiros promoveram canções em homenagem ao cantor e interprete Edy Star, entre estas canções a música Bem Entendido composta pelos músicos Renato Piauí e Sérgio Natureza.  

Álbum Sweet Edy - Edy Star - 1974
Em 17 de maio de 1990 as comunidades ligadas a causa LGBT+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Transexuais, Travestis e outras definições do gênero), conquistaram uma das suas grandes lutas, a de tirar da Classificação Estatística Internacional de Doença e Problemas Relacionados com Saúde (CID) da Organização Mundial de Saúde (OMS) o homossexualismo como uma doença, e retirar o conceito de “homossexualismo”, como se a questão da homossexualidade fosse uma doutrinação ou ideologia, e não uma questão genética e psicológica do indivíduo.
A conquista foi significativa a causa LGBT+, que desde a década de 1960 vem se organizando e lutando por seus direitos em todo o mundo. Apesar da importância da data, a luta no combate a homofobia, bifobia e transfobia, é diária, e em pleno século XXI, os altos índices de violência a comunidade LGBT+ são constantes, no Brasil e no mundo. Por isto existe a grande importância de lembrar as lutas e os direitos conquistados, para derrubar preconceitos e intolerâncias sobre as questões de gênero, destacando as causas LGBT+.
Nos anos de 1970 a luta pelos direitos a comunidade LGBT+ ganharam força, e em
Álbum Sweet Edy - Edy Star - 1974
1974 músicos renomados da música brasileira como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Moraes Moreira, Roberto Carlos e Erasmo Carlos, compuseram várias canções para o álbum Sweet Edy, uma homenagem ao músico e interprete o baiano Edy Star, um dos primeiros músicos brasileiros assumido gay. O álbum se tornou uma referência das causas LGBT+ daquela época, e entre tantas canções destacamos Bem entendido composta pelos músicos Renato Piauí e Sérgio Natureza, um dos grandes sucessos interpretados per Edy, que na gíria da época era uma definição do homossexual, que com o nome bem sugestivo, mostrava a liberdade e a firmeza de assumir a sexualidade.

Confira abaixo a canção:
Bem Entendido
Cantor: Edy Star.
Compositores: Roberto Piauí e Sérgio Natureza.

Destaque