12 de dez de 2013

Taiobeiras e suas raízes: Seu povo, sua cultura.



Hoje faz um ano que comecei este blog, e faz um tempinho que não publico nada, mas não poderia ficar nesta data sem postar algo aqui. 12 de Dezembro, data marcada pela emancipação da cidade de Taiobeiras, que faz 60 anos desde que a Lei Estadual nº1.039/1953 foi aprovada pelo Governador de Minas Gerais da época, Juscelino Kubitschek.
Foto: A I Capela - Década de 1940
            O Norte de Minas é marcado pelos tropeiros, que pelas viagens longas por nas estradas desse território, foram  formando acampamentos e pequenas vilas, deixando suas marcas, na construção de um povo. Como nas terras de Vitoriano Pereira Costa, Seu Vitorino do Bom Jardim. O Sítio Bom Jardim foi cenário de acampamento de muitos tropeiros que passavam por ali, onde passavam duas estradas que levavam aos principais municípios da região no final do século XIX, como Montes Claros, Teófilo Otoni, Salinas, Pedra Azul, Minas Nova, Araçuaí, Cachoeira do Pajeu, Francisco Sá (antigo Brejo das Almas) para o lado de Minas, e para o lado da Bahia, cidades como Caculé, Mortugaba, Jacaraci, Caetité, Jequié, Feira de Santana. 
Foi assim que o Sítio Bom Jardim foi dando seus primeiros passos em transformação em povoado, como relata na obra Taiobeiras: seus fatos históricos, de Avay Miranda. “Naquela época havia costume de se construir capelas nas fazendas.” Onde o senhor Vitorino do Bom Jardim, construiu uma pequena capela próximo ao entroncamento onde possuía uma enorme árvore, onde foi encontrada uma pessoa morta. “Vitorino, então, mandou cercar o local onde estava sepultado, formando-se, desta forma, o primeiro cemitério da localidade, que ficava ao lado da capela.”
Nesse período, um tempo depois da construção da Capela e do cemitério, no ano de 1875 com a vinda do “Padre Esperidião Gonçalves dos Santos, da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Rio Pardo, foi chamado para benzer o cemitério, oportunidade que foi erguido o cruzeiro, em frente à capela.” O Cruzeiro foi retirado do local no período de emancipação do distrito, que com a urbanização a localidade se tornou a Praça Joaquim Teixeira, em homenagem a um dos grandes fundadores de Taiobeiras. (MIRANDA. 1997: 28)
O Cruzeiro foi levado então para, onde hoje em sua homenagem leva seu nome, o bairro Santos Cruzeiro, na Praça do Cruzeiro no qual foi construída uma Capela ao lado de um Pequizeiro, tendo na proximidade um Cemitério, simbolizando o antigo local de origem do Bom Jardim das Taiobeiras. Que carrega no Cruzeiro um símbolo de seu povo, sua cultura.
Existem lugares onde as populações fixam momentos e processos da trajetória histórica de suas sociedades, cujos sentidos apontam para a existência de nexos dessas trajetórias com as suas identidades coletivas. Tais lugares de memória, assim como informam especificidades identitárias, também podem ser utilizados para conformar o imaginário social, em cuja elaboração as sociedades definem-se e definem suas alteridades, assim como organizam seu passado, presente e futuro. (COSTA. 216)

            O Cruzeiro é um lugar de memória de muitos taiobeirenses, como a Praça da Matriz com a Igreja da Matriz. O Mercado Municipal que traz não só o lado cultural da cidade, mas o símbolo da economia que gira entorno da produção rural. E a Capela de Nossa Senhora de Fátima que traz um símbolo de fé aos católicos, mas também um símbolo arquitetônico e postal, de modo geral, a todos taiobeirenses.
São todos símbolos de uma cidade, marcada ainda mais por pessoas que aqui fizeram história, muitos deles não nascidos aqui, como José Gonçalves Cordeiro, onde em entrevista no dia 21 de julho de 2013, tive a oportunidade de ouvir um pouco da história deste baiano de Brumado que teve que sair ainda novo de sua cidade pela necessidade, onde aprendeu o oficio de padeiro do qual recebeu o apelido de Zé Padeiro. A mais de 50 anos que veio para Taiobeiras, é um símbolo de tantos migrantes que representa o povo deste município.
Foto: Liordino Alves
Como o também baiano Liordino Alves, o Seu Dino (meu avô) também é um destes migrantes, nascido em Condeúba - BA, teve que sair em retirada ainda menino de sua terra natal. Depois de tantos lugares por onde andou, encontrou em Taiobeiras o seu lugar. Típico sertanejo de fala firme e direta, de gênero forte e ligado a terra, as plantas e os animais, também figura o povo daqui. Como tantos nascidos ou não nesta terra, que tem orgulho de dizer por onde for de onde veio ou onde se fez lugar de vida. Pessoas que fazem parte do nosso lugar de memória, lugares que marcaram e marcam na lembrança sentimento de pertencimento a esta cidade.
Taiobeiras chega aos seus 60 anos e com muitas histórias, que espero aqui relatar algumas pelo menos. Histórias que passaram nesses 60 anos de emancipação, e até antes deste período, como muitas a serem contadas daqui para frente.  Assim menciona Marileide Alves Pinheiro, em seu poema para Taiobeiras, Cidadezinha do meu Coração, ao dizer os seguintes versos:
“Suas ruas largas e compridas
Muitas histórias vão gravar
Nossos avôs, nossos pais e filhos
Sempre moraram neste lugar”
Foto: Vista Panorâmica - Década de 1940-1950

Foto: Vista Panorâmica da cidade Século  XXI

15 de out de 2013

Professor(a)



Desejo o melhor a todos os professores que lutam pela valorização da Educação. Uma homenagem a educadora Roseni de Oliveira Alves (mãe), que por mais de 32 anos fez parte da vida de muita gente, na construção e formação dos lugares por onde passou.

Em 15 de outubro de 1827, o imperador Dom Pedro I decretou a criação do ensino elementar no Brasil como o próprio documento diz que, “todas as cidades, vilas e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras”, garantindo uma grade curricular, a descentralização do ensino, e garantindo um salário aos docentes. Em 1963, o presidente João Goulart assina o decreto federal 52.682/63, criando como feriado escolar o Dia do Professor em todo o país, sendo um reconhecimento ao papel dessa profissão à sociedade, e uma lei de grande valor a Educação no Brasil.
O Professor é sempre homenageado em seu dia, sempre reconhecido pela importância de seu trabalho na formação da sociedade. Mas ao sairmos desse cenário comemorativo deparamos com o descaso a profissão do educador. Há anos a luta da educação bate na mesma tecla: o descaso com os profissionais que levam títulos muitas vezes de “mestre do saber” desde os baixos salários, as condições de trabalho. O que leva alguém a se preparar anos para lecionar com todas estas condições? Porque se diz tanto o valor do educador na sociedade, mas o coloca em precárias condições?
Max Weber (1864-1920), em sua obra Ciência e política – duas vocações, diz que a ciência como vocação está tanto no campo da racionalidade quanto no campo do irracional. Sendo a especialização, o progresso e a personalidade racionais, e a paixão, a inspiração e o talento os lados irracionais. Weber diz que “é preciso agir de outro modo, entregar-se ao trabalho e responder às exigências de cada dia – tanto no campo da vida comum, como no campo da vocação. Esse trabalho será simples e fácil, se cada qual encontrar e obedecer ao “demônio” que tece as teias de sua vida” (WEBER, p. 52). Ou seja, ser professor é enfrentar todos os desafios postos, é lutar e dedicar todos os dias. É além de ser capaz ter paixão pelo que faz.
Em tributo a um grande símbolo da Educação no Brasil, que disse “o homem deve ser o sujeito de sua própria educação. Não pode ser o objeto dela. Por isso, ninguém educa ninguém”, Paulo Freire (1921-1997), deixou em sua filosofia que o papel do educador e neutra e de suma importância na condução do despertar das vocações do individuo e da liberdade e igualdade a partir da educação.

Sou professor a favor da luta constante contra qualquer forma de discriminação, contra a dominação econômica dos indivíduos ou das classes sociais. Sou professor contra a ordem capitalista vigente, que inventou esta aberração: a miséria na fartura. Sou professor a favor da esperança que me anima, apesar de tudo.” (FREIRE, 2000: 115).





8 de set de 2013

IDHM: Taiobeiras no processo de desenvolvimento humano.



Os dados divulgados no segundo semestre de 2013 pela Organização das Nações Unidas (ONU), com o Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento (PNUD), mostra os avanços do desenvolvimento humano aqui no Brasil. Trazendo aqui uma analise dos últimos censos realizados no Brasil (em: 1991; 2000; 2010) observamos os avanços no município de Taiobeiras – MG no que se tratam os três principais fatores de analise para obter o IDH: Escolaridade; Renda; Longevidade.Segue abaixo Gráfica e Tabela do IDHM de Taiobeiras - MG:


Índice de Desenvolvimento Humano Municipal e seus componentes - Taiobeiras - MG
IDHM e componentes
1991
2000
2010
IDHM Educação
0,138
0,321
0,578
% de 18 anos ou mais com ensino fundamental completo
13,68
20,12
39,06
% de 5 a 6 anos frequentando a escola
18,40
61,26
92,49
% de 11 a 13 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental
19,86
56,17
92,54
% de 15 a 17 anos com ensino fundamental completo
8,17
29,79
63,33
% de 18 a 20 anos com ensino médio completo
8,73
15,11
32,24
IDHM Longevidade
0,688
0,783
0,815
Esperança de vida ao nascer (em anos)
66,29
71,95
73,90
IDHM Renda
0,504
0,557
0,639
Renda per capita (em R$)
184,08
256,46
426,91
Fonte: Pnud, Ipea e FJP
Como traz a tabela acima é de fácil percepção os aumentos nos três fatores no município ao longo dos anos. Como informa no site Atlas Brasil:
“O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de Taiobeiras é 0,670, em 2010. O município está situado na faixa de Desenvolvimento Humano Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699). Entre 2000 e 2010, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi Educação (com crescimento de 0,257), seguida por Renda e por Longevidade. Entre 1991 e 2000, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi Educação (com crescimento de 0,183), seguida por Longevidade e por Renda.” (ATLAS BRASIL, 2013).

            Esses crescimentos se deram por vários fatores não só na cidade, mas em todo país. Alguns fatores não são positivos como aparenta, sendo na Educação, por exemplo, um dos fatores que mais se avançou, mas se aprofundarmos nos motivos que cresceu a frequência na educação básica, encontraremos políticas pedagógicas que facilitam muito a passagem de uma série a outra, evitando alunos que ficam retidos por notas baixas, sendo um problema na defasagem dos alunos de rede pública. Mas nem sempre é pontos negativos que se dão esses aumentos, a própria questão de melhores condições no mercado de trabalho, a busca pela melhoria na educação pessoal faz esse aumento, mesmo que seja algo também imposto pelo sistema.
            A Longevidade pode ser percebida por algumas facilitações ao acesso a informação e a saúde, mesmo sendo algo de grande crítica os sistemas de saúde de modo geral, houve grande melhoria no município de Taiobeiras – MG. Com avanços de políticas públicas como o próprio SUS (Sistema Único de Saúde) entre outras que facilitou locomoção e informação também. E a Renda também colaborou com a própria longevidade e educação, com uma melhor renda houve melhores condições a acesso a esses setores. Algumas políticas públicas são importantes para isso, com criação de renda a famílias que não se incluía ai, fazendo movimentar mais o comércio e a própria produção no município. Políticas nos setores rurais e urbanos, o aumento do nível de escolaridade também são de grandes destaques ao tratar de Renda.
            O gráfico abaixo mostra que Taiobeiras – MG se encontra ainda abaixo da media do Estado de Minas Gerais e do Brasil. O que indica que não estamos em dados tão comemorativos, apesar dos avanços do IDHM nos últimos anos. Taiobeiras é a 425º no ranking do Estado de Minas Gerais, muito longe de uma posição valorizada já que tratamos de um Estado de 853 municípios, apesar disso Taiobeiras destaca entre os 10 municípios de maior destaque da mesorregião do Norte de Minas. Um ponto negativo do Estado de Minas é que dentro do nível do IDHM só apresenta 02 municípios com nível Muito Alto (0,800 – 1,000), e boa parte se encontra no nível médio (0,600 – 0,699). 

            Mas, os avanços são vistos como traz o próprio Atlas Brasil:
“Entre 2000 e 2010: O IDHM passou de 0,519 em 2000 para 0,670 em 2010 - uma taxa de crescimento de 29,09%. O hiato de desenvolvimento humano, ou seja, a distância entre o IDHM do município e o limite máximo do índice, que é 1, foi reduzido em 31,39% entre 2000 e 2010; Entre 1991 e 2000: O IDHM passou de 0,363 em 1991 para 0,519 em 2000 - uma taxa de crescimento de 42,98%. O hiato de desenvolvimento humano, ou seja, a distância entre o IDHM do município e o limite máximo do índice, que é 1, foi reduzido em 24,49% entre 1991 e 2000; Entre 1991 e 2010: Taiobeiras teve um incremento no seu IDHM de 84,57% nas últimas duas décadas, acima da média de crescimento nacional (47,46%) e acima da média de crescimento estadual (52,93%). O hiato de desenvolvimento humano, ou seja, a distância entre o IDHM do município e o limite máximo do índice, que é 1, foi reduzido em 48,19% entre 1991 e 2010.” (ATLA BRASIL, 2013)
O IDH tem como objetivo avaliar os avanços de desenvolvimento no mundo, assim deixa dicas para os municípios que passarem por essa avaliação ver e criar caminhos para melhorias. Taiobeiras – MG teve grandes avanços, mas precisa melhorar em vários sentidos e criando novos conceitos de desenvolvimento e caminhos para melhoria da vida humana.

23 de jul de 2013

Rock in Taiô: IV Ensaio Geral de Bandas de Garagem de Taiobeiras




A Cultura Jovem ganhou expressão nos anos de 1950 nos ritmos do Rock’n’Roll e da Juventude Transviada, através da mídia dos rádios e do cinema esse comportamento rebelde, que questionava (e ainda questiona) os padrões conservadores da sociedade Norte-Americana ganhou o mundo ao som de Elvis Presley e o estilo de James Dean no filme Juventude transviada de 1955.
Jimi Hendrix
O Rock ganhou vários rumos nesses mais de 60 anos: geração Beat, formado mais com um som alternativo e crítico com o mundo capitalista (Bob Dylan como grande nome dessa geração); O Folk Rock com o estilo de reivindicação com canções de protesto nos anos de 1960;  Os Beatles e os Rolling Stones  na Inglaterra que explodiram para o mundo todo; O movimento contracultura com os Hippies; os movimentos estudantis em protesto por todo mundo (destaque o ano de 1968 com “Primavera de Praga” e Maio de 68 francês com milhares de jovens em protesto nas ruas pelas crises dos seus países e pela Guerra Fria que tinha a grande tensão de todo mundo com uma guerra nuclear); Woodstock em 1969, o mais expressivo festival de rock (Jimi Hendrix o maior símbolo da fusão da música negra com o som elétrico transformando um som de alta qualidade abrindo caminho as variedades do rock); Rock Progressivo, Heavy Metal e Discotheque na década de 1970;o Reggae de Boby Marlon também na década de 1970;  O movimento Punk da década de 1980; o Hip Hop e Rep da década de 1990, tudo isso como um som de qualidade e trazendo a realidade da juventude em forma de protesto ou de exaltação de um novo mundo.
Raul Seixas
No Brasil com a Jovem Guarda, Tropicália ganhou mais expressão na década de 1980, na época perdida bandas como: Paralamas do Sucesso; Barão Vermelho; Legião Urbana. O Rock in Rio se tornou símbolo de maior expressão do Rock no país do Samba, e que ganha cada vez mais seguidores, mesmo com uma variedade de estilos e ritmos o Brasil tem grande qualidade no rock em todas as suas formas, criando um cenário do rock nacional que ganha públicos estrangeiros, como a banda Sepultura, que leva uma cultura brasileira na mistura do de heavy metal, tendo mais expressão fora do país, mas sendo idolatrada por muitos.
Deadly Wishes - 3º Ensaio Geral

Em Taiobeiras – MG, o rock sempre teve seus admiradores, desde a Jovem Guarda na década de 1960, alguns ritmos de rock sempre foram curtidos, mesmo não sendo o mais adorado som, talvez pelas influências de ritmos como o axé, sertanejo ou romântico, e uma sociedade mais conservadora que vê muitas vezes o rock como “coisa do diabo” e “rebelde” de mais. Mas o Rock sempre vai ter seu espaço na cidade. E como vem ocorrendo nos últimos anos, o Ensaio Geral de Bandas de Garagem de Taiobeiras, vem dando o valor aos amantes do Rock e as bandas que vem se formando e ganhando espaço no município: Pequisodelicos; Deadly Wishes; Cerberus; Banda AK 47; entre outras que vem mostrando um som de qualidade se apresentaram com grande estilo no IV Ensaio Geral no dia 22 de Julho de 2013, onde teve coo abertura a apresentação de Adriano.
Adrianão - IV Ensaio Geral de Bandas de Garagem de Taiobeiras 2013
Adrianão do Rock é um grande símbolo do Rock Taiobeirense, a várias gerações vem carregando no estilo as expressões do rock na cidade. E cantando um canções de Legião Urbana como a música “Que País é Esse”, e a música “Maluco Beleza do maior símbolo do Brasil no Rock, Raul Seixas. Parabéns ao trabalho realizado no esforço das bandas e principalmente de Romarão e Tom, entre outros que vem se dedicando ao rock taiobeirense, o rock do sertão mineiro. 


16 de jul de 2013

Manifestações: Acorda Taiobeiras



Manifestação Acorda Taiobeiras - 22/06/2013

No dia 22 (vinte e dois) de junho de 2013 (dois mil e treze) na cidade de Taiobeiras – MG ocorreu uma manifestação com pouco mais de 40 pessoas envolvidas. Motivados pelas manifestações ocorridas em todo o país, os manifestantes se expressaram em cartazes e palavras de ordem suas indignações. Em pesquisa realizada na manifestação pela Empresa Júnior de Estudo e Pesquisa Social – EJEPS/”DATAMONTES”, do curso de Ciências Sociais – UNIMONTES, fez entrevista com 30 (trinta) manifestantes, correspondendo margem de erro de 10% do total de manifestantes presentes os dados apresentados nos dados coletados.
Manifestação Acorda Taiobeiras - 22/06/2013
            O perfil dos manifestantes eram: 77% do sexo masculinos, 66,7% com idade entre 15 á 19 anos, 30% residentes no Centro da cidade, e quanto mais afastado da região central cai o número de manifestantes, inclusive sem representações da zona rural. 56,7% responderam que a renda familiar mensal é entre 1 á 3 salários mínimos. 56,6% são concluintes do ensino médio, e 36,7% ainda estão fazendo, assim 46,7% são estudantes, e 10% desempregado, onde
43,3% corresponde empregados, autônomos e funcionários públicos, em relação a definição de etnia/cor 50% se consideram brancos, 13,3% negros e 36,7% pardos. Dentro desse perfil percebemos um público parecido com manifestações na maioria dos lugares em todo o Brasil que vem ocorrendo frequentemente manifestações.
Manifestação Acorda Taiobeiras - 22/06/2013
            Jovens, boa parte estudante e um número significante de desempregados, com diversas indignações como apresentadas por eles como: corrupção; saúde; educação; segurança pública. Indignações estas parecidas como a de vários lugares do país, uma insatisfação que se apresenta como o nível de satisfação aos governos municipal, estadual e federal, como apresenta as tabelas abaixo.

Tabela 10
Qual seu nível de satisfação em relação a política municipal?
 Variável
Frequência
Percentagem
Percentagem Válida
Péssima
6
20%
20,7%
Ruim
8
26,7%
27,6%
Regular
11
36,7%
37,9%
Boa
4
13,3%
13,8%
Total Válido
29
96,7%
100%
Não Respondeu
1
3,3%

Total
30
100%

Fonte: EJEPS/”DATAMONTES” 2013.
Gráfico 10
Fonte: EJEPS/”DATAMONTES” 2013.

Tabela 11
Qual seu nível de satisfação em relação a política estadual?
Variável
Frequência
Percentagem
Percentagem Válida
Péssima
11
36,7%
39,3%
Ruim
5
16,7%
17,9%
Regular
9
30%
32,1%
Boa
3
10%
10,7%
Total Válido
28
93,3%
100%
Não Respondeu
2
6,7%

Total
30
100%

Fonte: EJEPS/”DATAMONTES” 2013.
Gráfico 11
Fonte: EJEPS/”DATAMONTES” 2013.

Tabela 12
Qual seu nível de satisfação em relação a política federal?
 Variável
Frequência
Percentagem
Percentagem Válida
Péssima
9
30%
33,3%
Ruim
10
33,3%
37%
Regular
6
20%
22,2%
Boa
2
6,7%
7,4%
Total Válido
27
90%
100%
Não Respondeu
3
10%

Total
30
100%

Fonte: EJEPS/”DATAMONTES” 2013.
Gráfico 12
Fonte: EJEPS/”DATAMONTES” 2013. 

            È fácil de observar a indignação geral com todos os governos, já que todos apresentaram um porcentagem maior na avaliação entre péssimo e ruim. A rejeição maior ao governo federal não fica distante da rejeição ao governo estadual e nem o municipal, que tiveram média de rejeição ficou pouco mais de 50%, considerando que não teve nenhuma avaliação de ótima e média de menos de 10% de boa a satisfação com os governos, e isso é um demonstra que não é uma indignação específica a um governo ou um governante, mas sim a tudo e todos. Um ponto a observar é que a região mais central do município é a que mais rejeita o governo municipal. Os estudantes são os que mais avaliam negativamente os governos, mas se equilibram com avaliação neutra e positiva. Os autônomos avalia o governo federal mais negativo que o governo estadual, e os empregados rejeitam mais o governo estadual que o federal, e se equilibra na avaliação do governo municipal junto com os autônomos. Os desempregados rejeitam mais o governo estadual, mas mostram indignados com o governo federal e se apresenta mais neutros na avaliação ao governo municipal.
            A pauta mais específica dos manifestantes voltadas a cidade foi em relação os problemas com os animais (cachorros mais específico) que cresce cada vez mais o número deles espalhados pela cidade, sofrendo maus tratos e criando problemas de saúde. Outro ponto a precariedade da pavimentação das ruas na zona urbana, e o ponto mais questionado a Barragem de Berizal, que voltou a ser ponto de discussão com a seca do final do ano passado (2012), onde é vista como uma saída de combate à seca. A manifestação assim saiu nas ruas centrais da cidade, mesmo com um número pequeno, foi muito significativo já que o município não tem tradição e grupos fortes no que se trata de manifestação. Dos manifestantes apenas 6,7% eram filiados algum partido e 16,7% responderam que fazia parte algum movimento social/cultural.
            Um outro ponto a observar é que 60% dos manifestantes nunca foram em nenhuma reunião na Câmara Municipal, e 23,3% responderam que vão raramente. A presença dos manifestantes em conselhos e conferências é ainda maior o número dos que nunca foram, 80%, e só 16,7% responderam que participam raramente. Assim deixa a questão porque a participação do cidadão é tão pouca em lugares de discussão política tão importantes? E porque o número é tão restrito de participantes em manifestações no município de Taiobeiras? Essa ultima questão questiono ainda que sendo a maioria dos manifestantes corresponde a jovens, onde estão os jovens do município, principalmente aqueles já concluintes do ensino médio? As indignações se apresentam de acordo com muitas realidades vividas por todo o país, e não é rejeitada na cidade, talvez não seja uma grande manifestação, mas é valida e realista com os problemas de Taiobeiras e todo o Brasil.
Manifestação Acorda Taiobeiras - 22/06/2013

Destaque