2 de jan de 2013

Cruzeiro e sua estrela das Gerais



Hoje no 92º aniversário do Cruzeiro, deixo a minha homenagem a um dos maiores jogadores da histórica do clube, o zagueiro conhecido e idolatrado tanto por cruzeirenses tanto por atleticanos, que parou Pelé em uma decisão, e pelo próprio rei da bola ficou parado por quase 5 anos do campo por lesão. Parabéns Procópio Cardoso por fazer parte desses 92 anos do Cruzeiro Esporte Clube e representar a região das Gerais, Tanto o Norte de Minas quanto o Vale do Jequitinhonha.

Time Camepeão da Taça Brasil 1966
Dia 2 de Janeiro de 2013, o Cruzeiro completa seus 92 anos com grandes conquistas não só no futebol, mas também no atletismo e vôlei que vem se destacando cada vez mais dentro do clube, que passou a se chamar Cruzeiro Esporte Clube em 1942 por conta da segunda guerra mundial, deixando de se chamar Palestra Itália pela oposição do governo brasileiro com o italiano pelos motivos de aliados de guerra.
A partir do fim da década de 1940 ao fim da década de 1950 o cruzeiro fez uma turnê por 45 cidades do interior de Minas Gerais fazendo 89 amistosos contra 63 times diferentes, tanto amadores quanto outros que se profissionalizaram depois. O que fez sua popularidade por toda Minas Gerais, onde hoje tem a maior torcida do Estado, tanto interior quanto na capital.
No Alto Rio Pardo não é diferente, o cruzeirense se destaca diante das demais torcidas. E um dos ídolos do clube que se destacou na década de 1960, o ex-zagueiro Procópio Cardoso Neto, nasceu em Salinas-MG, no Vale do Jequitionha em 1939, chegando ao clube em 1959 onde dois anos depois foi para o São Paulo, mas retornou ao clube em um ano de maior consagração do Cruzeiro, 1966 na conquista da Taça Brasil contra o Santos sendo o marcador de Pelé na final, no outro ano campeão Mineiro, repetindo a dose em 1968 com o bicampeonato estadual onde depois de uma grave lesão sofrida pelo rei Pelé, ficou cinco anos parado, retornando no vice campeonato brasileiro do Cruzeiro em 1973 e 1974. 




Destaque