8 de mar de 2018

História em Futebol de Botão: Vamos Mudar os Números, campanha do Cruzeiro ao Dia Internacional da Mulher

O futebol não tem só espaço para o entretenimento, mas também para refletir problemas sociais, presentes no dia-a-dia. O Cruzeiro Esporte Clube, soube de forma inteligente do seu marketing, provocar e dar sentido real o Dia Internacional da Mulher, retratando a triste realidade da desigualdade e violência sobre a mulher no Brasil.

O dia 08 de março, é conhecido como o Dia Internacional da Mulher, isto se deve a uma grande luta do Movimento Feminista desde o final do século XIX, com a busca de igualdade social, política e econômica entre homens e mulheres. A data de comemoração a luta das mulheres pelos seus direitos, nem sempre foi esta, em 1908, a data foi comemorada no dia 28 de fevereiro, quando mais de mil e quinhentas mulheres se reunirão em Nova York, Estados Unidos, para manifestar em prol a igualdade de gênero no país. Data que antecede o 25 de março de 1911, quando 130 mulheres foram assassinadas com um incêndio em uma fábrica têxtil na própria cidade de Nova York.
Mas foi em 08 de março de 1917, que mais de noventa mil mulheres na Rússia, se manifestaram contra o Czar Nicolau II, sobre as condições de trabalho, fome e o envolvimento com a I Guerra Mundial, data que ficou oficializada no ano de 1921 (ano de fundação do Cruzeiro Esporte Clube), e se tornou reconhecida pela ONU (Organização das Nações Unidas), em 1977, período em que o Movimento Feminista ganhou mais força no mundo todo.
Segundo a professora Maria Célia Orlato Selem, mestre em Estudos Feministas pela UnB, e doutora em História Cultural pela Unicamp, "o 08 de março deve ser visto como momento de mobilização para conquistas de direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado em diversos países". No Brasil estas conquistas ainda são poucas, mas são de grande relevância, como o direito ao voto com a Constituição Federal de 1932, a primeira Delegacia Especializada da Mulher em 1985, e Lei Maria da Penha de 2006.

Seguindo o pensamento da professora Maria Célia, o Cruzeiro Esporte Clube, provocou a partir do seu marketing uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher, levantando os problemas enfrentados pelas mulheres no Brasil. Com a campanha #VamosMudarOsNúmeros, junto com a ONG AzMina, premiada com o Leão de Bronze na categoria "Média" (meios de comunicação), em um dos maiores eventos de publicidade do mundo, o Festival de Criatividade de Cannes na França. 
Cruzeiro e a Campanha #VamosMudarOsNúmeros
Isto porque, no jogo do dia 08 de março de 2017, contra a equipe do Murici de Alagoas, válido pela Copa do Brasil do ano referido, o Cruzeiro entrou em campo com sua camisa tradicional, em azul e branco, mas com um detalhe que chamou bastante atenção da torcida e da imprensa. 
Cada camisa tinha informações de situações e problemas como a violência e a desigualdade sofrida pela mulher brasileira, onde os números de cada jogador, correspondia um número desta triste realidade social no nosso país. Algo bastante diferente de outras homenagens ao Dia Internacional da Mulher, principalmente no futebol que infelizmente marca ainda uma cultura do machismo, e traz neste dia apenas mensagens superficiais.

A equipe de marketing do Cruzeiro, levou para campo a luta dos Movimentos Sociais Femininos, e a pauta real do significado da data comemorada desta luta. Levando ao público e ao esporte que é tão desigual nas questões de gênero, como o futebol, um olhar crítico e provocativo para a realidade social do nosso país. 
O time celeste venceu a partida por 2 a 0, com gols de Ábila e Manoel, e se consagrou no final da competição como campeão (como já foi relatado aqui no blog). Mas, o grande prêmio, foi mostrar que o Futebol tem que ser uma ferramenta de mudança social, além apenas de um esporte ou entretenimento.

Segue abaixo os modelos para botão do jogo:


2. Ezequiel, 3. Léo, 5. Ariel Cabral, 7. Rafael Sóbis, 8. Henrique, 9. Ramon Ábila, 10. De Arrascaeta, 11. Alisson, 12. Rafael, 17. Bryan, 22. Mayke, 23. Élber, 25. Hudson, 27. Manoel, 29. Lucas Romero, 30. Thiago Neves, 31. Edimar, 33. Fabrício, 35. Murilo, 37. Lucas França, 38. Alex, 39. Lucão e 70. Rafinha.   
REFERÊNCIA:

NADAL, Paula. Porque o dia 08 de Março é o Dia Internacional da Mulher? IN: Nova Escola. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/301/por-que-8-de-marco-e-o-dia-internacional-da-mulher.  Acessado em 24/02/2018.

GLOBO ESPORTE. Cruzeiro é premiado em Cannes com campanha no "Dia Internacional da Mulher". Disponível em: https://globoesporte.globo.com/futebol/times/cruzeiro/noticia/cruzeiro-e-premiado-em-cannes-com-campanha-sobre-o-dia-internacional-da-mulher.ghtml. Acessado em 24/02/2018.

Destaque